Help us improve your experience.

Let us know what you think.

Do you have time for a two-minute survey?

 
 

Opções de contabilidade, classe de origem e classe de destino

SUMMARY Esta seção descreve o uso da classe de origem e o uso da classe de destino.

Visão geral das opções de contabilidade

Um perfil de contabilidade representa características comuns dos dados de contabilidade coletados, incluindo os seguintes:

  • Intervalo de coleta

  • Arquivo para conter dados de contabilidade

  • Campos e contra nomes específicos nos quais coletar estatísticas

Você pode configurar vários perfis de contabilidade, como descrito em Tabela 1 .

Tabela 1: Tipos de perfis de contabilidade

Tipo de perfil

Descrição

Perfil da interface

Coleta as informações de erro e estatísticas especificadas.

Perfil do filtro

Coleta as contagens de byte e pacote para os nomes de contadores especificados no perfil do filtro.

MIB perfil

Coleta estatísticas MIB selecionados e as registrará em um arquivo especificado.

Mecanismo de Roteamento perfil

Coleta estatísticas Mecanismo de Roteamento selecionados e as faz logins em um arquivo especificado.

Perfil de uso da classe

Coleta estatísticas de uso de classes e as faz logins em um arquivo especificado.

Entender as opções de uso da classe de origem e de classe de destino

Você pode manter as contagens de pacotes com base nos pontos de entrada e saída do tráfego que passam pela sua rede. Os pontos de entrada e saída são identificados por prefixos de origem e destino agrupados em conjuntos desarmados definidos como classes de origem e classes de destino. Você pode definir classes com base em diversos parâmetros, como vizinhos de roteamento, sistemas autônomos e filtros de roteamento.

O uso da classe de origem (SCU) conta os pacotes enviados aos clientes realizando buscas no endereço de origem IP e no endereço de destino ip. A SCU torna possível rastrear tráfego originado de prefixos específicos no núcleo do provedor e destinados a prefixos específicos na borda do cliente. Você deve habilitar a contabilidade de SCU nas interfaces físicas de entrada e saída.

O uso da classe de destino (DCU) conta os pacotes dos clientes realizando buscas no endereço de destino IP. A DCU torna possível rastrear tráfego originado da borda do cliente e destinado a prefixos específicos no roteador de núcleo do provedor.

Nos Série T de núcleo e M320 roteadores de borda multisserviço, as classes de origem e destino não são transportada pela malha da plataforma. As implicações disso são as seguinte:

  • Em Série T e M320 roteadores, a contabilidade de SCU e DCU é executada antes do pacote entrar na malha.

  • Em Série T e M320 roteadores, a DCU é executada antes que os filtros de saída sejam avaliados.

  • Nas Série M, a DCU é executada após a avaliação dos filtros de saída.

  • Se um filtro de saída derrubar tráfego em Série M dispositivos, os pacotes eliminados serão excluídos das estatísticas de DCU.

  • Se um filtro de saída derrubar tráfego em Série T e M320 roteadores, os pacotes descartados serão incluídos nas estatísticas de DCU.

Nota:

Para roteadores da série PTX com FPC3 e PTX1000 roteadores, para ter https://www.juniper.net/documentation/en_US/junos/topics/reference/configuration-statement/enhanced-mode-edit-chassis-network-services.html suporte a SCU e DCU, você deve configurar o modo aprimorado no chassi.

Em plataformas da Série MX com interfaces MPC/MIC, SCU e DCU são executadas após a avaliação dos filtros de saída. Os pacotes deixados por filtros de saída não estão incluídos nas estatísticas de SCU ou DCU.

Em plataformas da Série MX com interfaces não MPC/MIC, SCU e DCU são executadas antes da avaliação dos filtros de saída. Pacotes deixados por filtros de saída estão incluídos nas estatísticas de SCU e DCU.

Nas plataformas da Série PTX, a contabilidade de SCU e DCU é realizada antes da avaliação dos filtros de saída. Pacotes deixados por filtros de saída estão incluídos nas estatísticas de SCU e DCU. No PTX10003, PTX10004, PTX10008, PTX10001-36MR e placa de linha JNP10K-LC1201, os prefixos de sistemas com classes SCU e DCU atribuídos ocupam mais espaço nas tabelas da base de informações de encaminhamento (FIB) do que rotas regulares. Você deve limitar o número de prefixos com classe não padrão atribuído.

Nos FPCs aprimorados (T640-FPC1-ES, T640-FPC2-ES, T640-FPC3-ES, T640-FPC4-1P-ES e T1600-FPC4-ES), a contabilidade da classe de origem é realizada na entrada. A partir da versão 14.2 do Junos OS, a contabilidade de SCU é realizada na entrada em um FPC T4000 Tipo 5. As implicações disso são as seguinte:

  • A contabilidade de SCU é executada quando os pacotes atravessam desde T4000 FPC Tipo 5 (ingresso no FPC) até FPCs de escalonamento aprimorado (saída FPC).

  • A contabilidade de SCU é realizada quando os pacotes atravessam desde FPCs de escalonamento aprimorado (FPC de entrada) até T4000 FPC tipo 5 (saída FPC).

Nota:

Quando as estatísticas da interface são liberadas e o mecanismo de roteamento é substituído, as estatísticas de SCU e DCU não combinarão as estatísticas do mecanismo de roteamento anterior.

Para obter mais informações sobre o uso da classe de origem, consulte as Políticas de Roteamento, Filtros de Firewall e Guia de usuário do Traffic Policers e a Biblioteca de Interfaces de Rede do Junos OS para Dispositivos de Roteamento.